sexta-feira, 29 de julho de 2011

SOMOS DOIS

Os amores tudo saram?

Os amores tudo serenam?

Seriam sérias essas sentenças?

Se somos surdos, cegos, cínicos, sólidos

Só sentimos solidão

Se somos sinceros, sensatos, seresteiros,

Se sabemos sorrir e sentir sob o céu celeste ou cinza

Somos só nós dois

Somos plurais

sábado, 23 de julho de 2011

Strawberry Fields Forever Again

Faz dez dias. Caiu um avião. Escrevi uma postagem sobre como as coisas têm estado conexas com o advento da Internet. Acabei lembrando que era dia do rock e mencionei a Amy Winehouse e sua voz
agradavelmente escandalosa; incrivelmente poderosa. Voz que tinha um quê de ousadia que trazia de volta a recordação de uma certa moça que teve pouco tempo - exatamente 27 anos - para deixar a sua marca na vida de muita gente e na história da música. "Mas até parece uma negra cantando!" - que delícia!
Amy é soul, e, a despeito de toda a crítica, também fomos, ou somos, um pouco ela. Se, como outros garotos de vinte e poucos anos, a grande voz dos últimos vinte e poucos anos perdeu a batalha para as drogas, como especulam, não perderá jamais o lugar especial que conquistou em nossos ouvidos e nossos corações.
Seus olhos, tão marcantes e capazes de ditar moda, estão fechados, mas a sua voz ainda não parece acreditável que se calará tão cedo.
Mais uma vez, dez dias depois, caiu um avião...
Apenas uma vida se foi...
Uma estrela não se apaga...
Só retorna para a sua constelação. Será mais uma menina que vai brincar junto com Janis, Jimmy, Jim e Kurt nos Strawberry Fields Forever...

quarta-feira, 13 de julho de 2011

Nas teias da informação: entre fatos e links

Hoje caiu um avião na Região Metropolitana do Recife, ou ontem; mas quem faz o dia terminar é o ato de eu ir dormir, portanto, para mim, ou para meu relógio biológico, ainda é dia 13 de julho de 2011. Pois bem, fui ver a notícia assim que soube do ocorrido. Cheguei em casa, por volta das 12h30 e tive um lampejo de anos 90 e fui ligar a TV para saber do ocorrido. Minha namorada me disse que se eu quisesse saber com rapidez e qualidade de informação fosse à Internet. Foi o que fiz.
Já notaram como a Internet tem coisas curiosas? Acesso a página de notícias sobre o acidente que vitimou dezesseis pessoas e ao fim de uma notícia de pouco mais de 140 caracteres – mais que isso cansa o ciberleitor – encontro um link sobre as notícias da semana e descubro alguma coisa sobre um lançamento de foguete que aconteceu, ou vai acontecer, sei lá, é tanta informação nesse ambiente multitarefas que é a vida digital que eu nem sei como, só sei o quê e olhe lá…
Das pesquisas espaciais, descubro outro tag para as pesquisas epistemologicamente gastronômicas que tem feito alguns pesquisadores engordarem alguns quilinhos, posto que eles estão anotando as diferenças entre os hambúrgueres da MacDonald’s mundo afora. Nessa página totalmente educativa e relevante para o futuro da ciência vejo se abrir outra janela que oferece um celular a R$89,00. O meu ainda tá novo, mais sei lá, deu vontade de dar uma olhadinha. Abro e me deparo com uma máquina complexa que, entre outras coisas, serve para fazer ligações – seu preço é o quíntuplo dos oitenta e nove iniciais. O danado tem MP3 – qual destes já não tem essa maravilha, esse arrojo de modernidade?
Isso me fez lembrar que já estou há quase três dias tentando baixar umas músicas da Nina Zilli, cantora italiana que tem uma voz ou um timbre, que não sei porque me lembra a Amy, que me lembra a Janis Joplin e seu escândalo de voz. Ela, que assim como Jim e Jimmy, só tinha 27 quando se foi, que cantou no Woodstock e causou frisson na juventude e terror entre os conservadores, cantava Rock in Roll…
Olha, que coisa! Hoje, ou ontem, bem… é Dia do Rock! Hoje, aliás, caiu um avião…